FLORIANÓPOLIS: Carta aberta à população sobre o retorno às aulas presenciais : ACRACOM

BLOG ACRACOM


23/02/2021 | Santa Catarina

FLORIANÓPOLIS: Carta aberta à população sobre o retorno às aulas presenciais

Documento assinado por sindicatos da Grande Florianópolis exige controle da pandemia e condições sanitárias para garantir o retorno seguro
As professoras, professores e todos os demais trabalhadores da Educação estão neste momento extremamente preocupados com a vida de crianças, adolescentes e familiares que serão afetados pelo retorno das aulas presenciais.

Atualmente, vivemos um momento crítico da pandemia. Em Santa Catarina, todas as 16 regiões estão em situação Grave ou Gravíssima no mapa de risco divulgado pelo governo do Estado.

Na Grande Florianópolis, os leitos de UTI estão lotados, segundo dados do Painel de Leitos disponíveis.

Não podemos arriscar reabrir as escolas neste momento em que a situação está cada dia mais grave. Com hospitais lotados teremos muito mais mortes, que poderiam ser evitadas!

Falta muito para as condições mínimas de segurança
Você sabia que a grande maioria das escolas ainda não têm os Equipamentos de Proteção Individual (EPIs) necessários para prevenir o contágio com o coronavírus? Nem mesmo estrutura física adequada?

Você sabia que o retorno proposto é na modalidade híbrida, o que significa que os alunos não estarão todos os dias na escola? As aulas presenciais serão intercaladas: uma semana sim outra não, e somente meio período.

Ou seja, a afirmação de que as escolas precisam reabrir para que pais, mães e responsáveis possam retornar ao mercado de trabalho é falácia! Utilizar o argumento de que é pela falta das aulas presenciais que a população está desempregada é mascarar a grande crise econômica que assola este país.

E o risco de contágio vai para além das escolas!
Quem garantirá as medidas de segurança sanitária no transporte coletivo lotado, já que muitas famílias, professores e professoras precisam deste meio de locomoção para chegar ao trabalho?

Além disso, é preciso defender o auxílio emergencial para as famílias, o acesso à segurança alimentar, o fortalecimento do Sistema Único de Assistência Social (SUAS) e do Sistema Único de Saúde (SUS).

Voltar às aulas presenciais poderá deixar marcas para sempre
A saúde mental das crianças e adolescentes, o desenvolvimento pedagógico, o aprendizado. Todas estas são questões relevantes. Entretanto, como imaginar um ambiente sem interação entre colegas?

Onde professoras e professores terão de impor o distanciamento, evitando o contato físico e agindo como fiscais do afeto? Não ficaria ainda mais comprometido o desenvolvimento pedagógico de uma criança que praticamente não poderá se mexer, muito menos se aproximar de outra criança?

Além disso, as escolas se tornarão um espaço de grande contaminação, com os alunos levando o vírus da Covid-19 para suas famílias.

Ensino Remoto emergencial


Defendemos a volta às aulas presenciais o quanto antes. Porém, isso ainda não é uma opção possível. Somos contra a permanência do ensino remoto e não queremos que essa modalidade venha pra ficar. Contudo, hoje, essa alternativa continua sendo a melhor forma de evitar uma tragédia ainda maior.

Entretanto, muitas crianças e adolescentes não têm equipamentos e internet para acessar as aulas remotas. Por isso, é preciso exigir dos estados e municípios as condições a todos e todas que precisarem de suporte tecnológico.

O acesso à tecnologia é uma demanda antiga. É um direito do povo! Equipamentos e internet para todos e todas!

Vacinação para todos e todas já!


Você que é aluno, pai, mãe ou responsável. Converse com os professores. Visite uma escola para verificar quais condições de retorno estão sendo apresentadas. Todos queremos a volta às aulas presenciais o quanto antes! Porém, não podemos colocar vidas em risco.

A vacina já é uma realidade no Brasil, e, assim como todas aquelas produzidas para prevenção de outras doenças, esta vacina também foi estudada e testada. Há anos os cientistas estudam vírus semelhantes ao da Covid-19.

Não acredite em propagandas enganosas, em fakenews que circulam nas redes soci